20 de fev de 2009

Xô baixo astral!

0 comentários
Copiada da cópia da minha amiga blogueira Carol Dahlem (http://carodahlem.blogspot.com/)

Por Fabiana Faria Durante
Fonte: Blog Gloss - http://gloss.abril.com.br/blog/

A minha vida toda, tive que conviver com algumas pessoas bem baixo astral e muitas bem influentes na minha vida, o que me ajudou a ser uma adolescente bem reclamona, crítica e com baixa auto estima, mais do que o que já é normal na idade.

A fase adulta chegou e, com a ajuda do meu marido, aprendi a reclamar menos, a acreditar mais em mim, aproveitar as coisas pequenas do cotidiano, além de dar valor às pessoas que realmente merecem a minha atenção. E assim estamos há cinco anos tentando crescer, construindo uma vida, crescendo como pessoas, melhorando como profissional.

Só que os reclamões me perseguem. Tem gente que eu consigo afastar da vida, outras não. Algumas pessoas são tão infelizes que eu tenho receio de me divertir perto delas. Essa pessoa que eu estou falando dá tanta patada nas pessoas que merecia tomar uma boa virada da vida para ver se aprende alguma coisa. O problema é que eu acho que ela nunca aprenderia, já que, se isso acontecesse, ela colocaria a culpa da merda toda nos outros, se faria de vítima e choraria por isso para o resto da vida.

"Mexa-se, reaja, olhe a sua volta e veja o que mundo tem para oferecer", é o que eu tenho vontade de falar para ela. Se você tem um marido bosta, se separe. Se sou emprego é uma merda, troque. Se você está em uma situação que não gostaria de estar, FAÇA ALGUMA COISA e pare de culpar as pessoas pelas suas desgraças. Nós somos totalmente responsáveis por aquilo que temos e somos. E não podemos fugir dessa responsabilidade. Não podemos fingir que tudo o que acontece com a gente é culpa dos outros. Não é!

Se você se identificou com alguma coisa do que foi escrito aqui, preste atenção nas suas atitudes e mude. Isso vai fazer bem para quem está ao seu lado e vai fazer melhor ainda para você.

2 de fev de 2009

É verdade!

1 comentários
Sabe quando dizem pra gente: não reclama, tem gente com problemas bem piores?
Olha, é melhor ouvir e dar crédito... é a mais pura verdade.
Agradeça se tens saúde, dinheiro no bolso, uma família legal, alguns amigos e um emprego (mesmo que todos esses quesitos não sejam exatamente do jeito que você quer) (parênteses 2: se tudo fosse exatamente como sonhamos, acho que a vida não teria graça).

Não me dou conta disso todos os dias, mas tenho tentado me exercitar quanto a isso.
Certa noite, no meio da balada... um menino, de 10, 11 anos andando pela noite... Lembrei do meu irmão... o que será que esse menino pensa da vida... já passeando pelos showzinhos, sozinho?
Será que a mãe lhe dá carinho?

E um dia no ônibus, reparei numa mãe, que abraçava o filho, de uns 12 anos... ela secava os olhos... estava chorando... por que será?


Assisti àquele filme... "A Troca", com Angelina Jolie... a mulher tem o filho seqüestrado, passa por louca devido à irresponsabilidade da polícia... bom, não vou contar o final, mas é triste.
Mais triste ainda saber que é verdade.

Essa realidade está à nossa volta, basta prestar um pouquinho mais de atenção. Outro dia, uma senhora me agradeceu tanto, tanto, mas tanto, por eu ter ajudado ela a carregar suas sacolas.... só pude concluir.... que praticamente ninguém costumava dar uma ajuda pra ela, que anda com uma bengalinha...

Mas... um dia... se Deus me permitir uma vida longa, eu vou ter a idade dela.
E também vou precisar de ajuda.