25 de ago de 2009

Cânceres do mundo

2 comentários
O que faz uma pessoa achar que ela é melhor que alguém? A beleza? A formação? O status?

Por que você escolhe uma profissão x e não y? Por que você decidiu ser médico ao invés de arquiteto? Por que você optou pela publicidade ao invés da matemática?
As pessoas seguem carreiras, estilos de vida, religião... porque se identificam com elas. Porque acham que serão felizes, alcançarão o sucesso profissional, a paz espiritual.

Pergunto novamente: o que define que alguém é melhor que outro alguém? No mundo profissional, o currículo, as aptidões, a experiência (ou o QI). No mundo amoroso, a beleza para alguns, a simpatia para outros (cada um tem seus 'motivos' para se apaixonar por alguém). Na sala de aula, o empenho, o estudo, as horas dedicadas. E veja, o conceito de melhor é subjetivo. Para a empresa da Maria, você pode ser excelente. Já para a empresa da Josefina o seu inglês não é diferencial.

Cada um tem seu lugar e é especial de algum jeito.
Ou o que você acha que seria da sua rua se não houvesse uma pessoa que todo santo dia vai lá e recolhe o lixo?

Pois bem, por isso, paro e pergunto: por que as pessoas insistem em achar que uma profissão é status de superioridade e, por isso, esse "lugar privilegiado" lhes dá o direito de tratar os outros de qualquer jeito?

Pergunto-me por que simpatia e humildade não podem ser retribuídas?

O que a soberba, a ignorância e a antipatia trazem de bom para o mundo?

Nada.

Vai ver é por isso que há tantas doenças. A falta de um sorriso pode ter consequências fatais, fique ligado.

Use bom dia, obrigado, com licença, acompanhados de um sorriso no rosto. Faz bem para a saúde, acredite. E não custa nada.


[Gente mal amada...]

21 de ago de 2009

Veronika vai morrer no cinema?

4 comentários


Hoje é a estréia da adaptação para o cinema da obra "Veronika decide morrer", de Paulo Coelho. Já falei disso aqui no Blog, mas agora pego outro gancho.

Bom, é sabido que Paulo Coelho ou é amado ou odiado no mundo. É fato: ou você encontra alguém que gosta de suas obras (sim, eu gosto e muito, li quase todos, gosto é gosto, cada um com o seu) ou encontra algúém que simplesmente repudia (fato: muitas das pessoas que criticam o autor sequer leram sua obra. Como você pode criticar algo que não conhece?).

Se alguém quiser um exemplo do que estou falando, basta visitar o Blog do Zeca Camargo, no post que ele fez dia 31 de julho de 2008, antecipando a entrevista que fez com o mago e que foi ao ar no Fantástico. Fantástico foi o número de pessoas que comentou uma simples foto. E dá pra ver como Paulo Coelho causa... amor ou ódio.

Tento em vista essa relação de amor e ódio que as pessoas têm com o autor, é praticamente previsível que a primeira adaptação de uma obra sua para o cinema cause os mesmos sentimentos contraditórios. Digo a primeira adaptação porque vem mais por aí: O Alquimista já tem seus direitos vendidos e já li em algum lugar que Onze Minutos (um dos meus preferidos) deve virar filme também.

É incrível que as pessoas continuem o criticando mesmo sabendo que ele é "o escritor brasileiro de maior sucesso comercial na história. Desde “O Diário de um Mago”, publicado em 1987, estima-se que suas obras já tenham vendido mais de 100 milhões de exemplares em 150 países e em mais de 60 idiomas." (Matéria publicada no IG)

Veja, eu acredito que gosto não se discute. Você não é obrigado a gostar de um cara só porque ele vendeu milhões. Mas, o cara é, no mínimo, digno de respeito.

Admiro a postura dele frente às criticas. No Twitter, ele postou:

"Críticas sobre Veronika no Brasil: 80% esquece o filme e fala mal do autor do livro. Não tem jeito mesmo."

"Eu nao vi "Veronika", mas não dei uma só entrevista. Iam falar mal de qualquer jeito".

19 de ago de 2009

Dúvidas e dúvidas!

0 comentários


Se você observar na rua, na faculdade ou até mesmo nas populares redes sociais, vai perceber o quanto as pessoas são diferentes.

OBS1: Isso não é novidade, eu sei.
OBS2: Aí está a graça do mundo, diferenças.

Muitas gostam de rosa, ou de azul, ou preferem o preto. Adoram doces, preferem pizza de calabreza e amam praia. Outras tantas passam os dias do verão esperando pelo seu fim e outro grupo preferia que o inverno não existissse.

Essas diferenças são de gosto e o mundo está aí, com sua diversidade para agradar a todos...

Porém, existem as diferenças de caráter, de estilo de vida, de objetivos. Podemos ver tantas pessoas lutando, querendo algo para o futuro, batalhando, colhendo frutos. Outras fazendo a mesma coisa e não colhendo nada. E outras nem se dão ao trabalho de tentar... acomodam-se.
Cada um, cada um. Será que o mundo teria lugar pras pessoas se todas elas tivessem o mesmo perfil (persistentes x acomodadas)?

Vejo também que, dependendo do seu estilo de vida, de repente, você se ve meio encurralado. Às vezes a vida lhe dá tantas opções, você tem tantas metas e objetivos, tantos desejos e almejos... como se decidir?

Não é possível fazer tudo. Esses dias, fiz a leitura de "O melhor do mundo - saiba quando insistir e quando desistir", um livro de poucas páginas, presente de um (inteligente) professor. O autor, Seth Godin, fala - curto e grosso - sobre esse tema: ser o melhor. Para ser o melhor, não é fácil. Nenhuma nova constatação aqui, diag-se de passagem. Mas, às vezes, as pessoas não se dão conta disso. Não se dão conta de que os melhores não estão nessa posição por acaso. Só os melhores atravessam o espaço/período designado pelo autor como o "vão": é justamente ali onde o caminho vai ficar mais complicado e os obstáculos serão maiores e a vontade de desistir pode persistir.

Entretanto, quando se passa do vão...

Por isso, ele salienta, que é necessário refletir sobre os resultados que a travessia do vão vai trazer à sua vida. Coragem é saber desistir daquilo que não cabe a você. Covardia é continuar insistindo em algo que não te fará feliz.

“Benefícios extraordinários são obtidos pela pequena minoria capaz de fazer um esforço extra e ir um pouco mais longe do que a maioria. Benefícios extrordinários também são conquistados pela pequena minoria com coragem de desistir antes e redirecionar sua energia para algo novo. Em ambos os casos, o objetivo é ser o melhor do mundo. Desista do que não vale a pena. Insista no que compensa. Tenha peito de fazer uma coisa ou outra.” (Seth Godin)

17 de ago de 2009

Jantar com o bofe

0 comentários
Recebi este e-mail ontem. Com bom humor, a autora (anônima...) fala da ansiedade que toma conta das mulheres antecede um encontro...

Resolvi compartilhar... divirtam-se!

(Se Luis Fernando Veríssimo fosse mulher, certeza que esse texto era dele! hehe)

Quando um homem chama uma mulher para sair, não sabe o grau de estresse que isso desencadeia em nossas vidas. O que venho contar aqui hoje é mais dedicado aos homens do que às mulheres. Acho importante que eles saibam O que se passa nos bastidores. Você, mulher, está flertando um Zé Ruela qualquer. Com sorte, ele acaba te chamando para sair. Vamos supor, um jantar.

Ele diz, como se fosse a coisa mais simples do mundo 'Vamos jantar amanhã?'. Você sorri e responde, como se fosse a coisa mais simples do mundo: 'Claro, vamos sim'.
Começou o inferno na Terra. Foi dada a largada. Você começa a se reprogramar mentalmente e pensar em tudo que tem que fazer para estar apresentável até lá. Cancela todos os seus compromissos canceláveis e começa a odisséia. Evidentemente, você também para de comer, afinal, quer estar em forma no dia do jantar e mulher sempre se acha gorda. Daqui pra frente, você começa a fazer a dieta do queijo: fica sem comer nada o dia inteiro e quando sente que vai desmaiar come uma fatia de queijo. Muito saudável.

Primeira coisa: fazer mãos e pés. Quem se importa se é inverno e você provavelmente vai usar uma bota de cano alto? Mãos e pés tem que estar feitos - e lá se vai uma hora do seu dia. Vocês (homens) devem estar se perguntando 'Mão tudo bem, mas porque pé, se ela vai de botas?' Lei de Murphy. Sempre dá merda.

Uma vez pensei assim e o infeliz me levou para um restaurante japonês daqueles em que tem que tirar o sapato para sentar naqueles tatames. Tomei no cu bonito! Tive que tirar o sapato com aquela sola do pé cascuda, esmalte semi-descascado e cutícula do tamanho de um champignon! Vai que ele te coloca em alguma outra situação impossível de prever que te obriga a tirar o sapato? Para nossa paz de espírito,
melhor fazer mão é pé, até porque boa parte dessa raça tem uma tara bizarra por pé feminino. OBS: Isso me emputece. Passo horas na academia malhando minha bunda e o desgraçado vai reparar justamente onde? Na porra do pé! Isso é coisa de... Melhor mudar de assunto...


As mais caprichosas, além de fazer mão e pé, ainda fazem algum tratamento capilar no salão: hidratação, escova, corte, tintura, retoque de raiz, etc.
Eu não faço, mas conheço quem faça.

Ah sim, já ia esquecendo. Tem a depilação. Essa os homens não podem nem contestar. Quem quer sair com uma mulher não depilada, mesmo que seja apenas para um inocente jantar? Lá vai você depilar perna, axila, virilha, sobrancelha etc, etc. Tem mulher que depila até o cu! Mulher sofre! E lá se vai mais uma hora do seu dia. E uma hora bem dolorida, diga-se de passagem.

Dia seguinte. É hoje seu grande dia. Quando vou sair com alguém, faço questão da dar uma passada na academia no dia, para malhar desumanamente até quase cuspir o pulmão. Não, não é para emagrecer, é para deixar minha bunda e minhas pernas enormes e durinhas (elas ficam inchadas depois de malhar).

Geralmente, o Zé Ruela não comunica onde vai levar a gente. Surge aquele dilema da roupa. Com certeza você vai errar, resta escolher se quer errar para mais ou para menos. Se te serve de consolo, ele não vai perceber.

Alias, ele não vai perceber nada. Você pode aparecer de Armani ou enrolada em um saco de batatas, tanto faz. Eles não reparam em detalhe nenhum, mas sabem dizer quando estamos bonitas (só não sabem o porquê). Mas, é como dizia Angie Dickinson: 'Eu me visto para as mulheres e me dispo para os homens'. Não tem como, a gente se arruma, mesmo que eles não reparem.

Escolhida a roupa, com a resignação que você vai errar, para mais ou para menos, vem a etapa do banho. Depois do banho e do cabelo, vem a maquiagem. Nessa etapa eu perco muito tempo. Lá vai a babaca separar cílio por cílio com palito de dente depois de passar rímel.

Depois vem a hora de se vestir. Homens não entendem, mas tem dias que a gente acorda gorda. É sério, no dia anterior o corpo estava lindo e no dia seguinte...PORCA! Não sei o que é (provavelmente nossa imaginação), mas eu juro que acontece. Muitas vezes você compra uma roupa para um evento, na loja fica linda e na hora de sair fica um cu. Se for um desses dias em que seu corpo está um cu e o espelho está de sacanagem com a sua cara, é provável que você acabe com um pilha de roupas recusadas em cima da cama, chorando, com um armário cheio de roupa gritando 'EU NÃO TENHO ROOOOUUUUUPAAAA'. O chato é ter que refazer a maquiagem. E quando você inventa de
colocar aquela calça apertada e tem que deitar na cama e pedir para outro ser humano enfiar ela em você? Uma gracinha, já vai para o jantar lacrada a vácuo. Se espirrar a calça perfura o pâncreas.

Ok, você achou uma roupa que ficou boa. Vem o dilema da lingerie. Salvo raras exceções, roupa feminina (incluindo lingerie) ou é bonita,ou é confortável.

Você olha para aquela sua calcinha de algodão do tamanho de uma lona de circo. Ela é confortável. E cor de pele. Praticamente um método anticoncepcional. Você pensa 'Eu não vou dar para ele hoje mesmo, que se foooda'. Você veste a calcinha. Aí bate a culpa. Eu sinto culpa se ando com roupa confortável, meu inconsciente já associou estar bem vestida a sofrimento. Aí você começa a pensar 'E se mesmo sem dar para
ele, ele pode acabar vendo a minha calcinha...

Vai que no restaurante tem uma escada e eu tenho que subir na frente dele... se ele olhar para essa calcinha, broxará para todo o sempre comigo...'. Muito puta da vida, você tira a sua calcinha amiga e coloca uma daquelas porras mínimas e rendadas, que com certeza vão ficar entrando na sua bunda a noite toda. Melhor prevenir.

Os sapatos. Vale o mesmo que eu disse sobre roupas: ou é bonito, ou é confortável.
Geralmente, quando tenho um encontro importante, opto por UMA PEÇA de roupa bem bonita e desconfortável, e o resto menos bonito mas confortável. FATO: Lei de Murphy impera. Com certeza me vai ser exigido esforço da parte comprometida pelo Desconforto. Ex: Vou com roupa confortável e sapato assassino. Certeza que no meio da noite o animal vai soltar um 'Sei que você adora dançar, vamos sair para dançar! Eu tento fazer parecer que as lágrimas são de emoção. Uma vez um sapato me machucou tanto, mas tanto, que fiz um bilhete para mim mesma e colei no sapato, para lembrar de nunca mais usar!. Porque eu não dei o sapato? Porra... me custou muito caro. Posso não usá-lo, mas quero tê-lo. Eu sei, eu sei, materialista do caralho. Vou voltar como besouro de esterco na próxima encarnação e comer muito coco para ver se evoluo espiritualmente! Mas por hora, o sapato fica.

Depois que você está toda montadinha, lutando mentalmente com seus dilemas do tipo 'será que dou para ele? É o terceiro encontro, talvez eu deva dar...'começa a bater a ansiedade. Cada uma lida de um jeito.

Tenho um faniquito e começo a dizer que não quero ir. Não para ele, ligo para a infeliz da minha melhor amiga e digo que não quero mais ir, que sair para conhecer pessoas é muito estressante, que se um dia eu tiver um AVC é culpa dessa tensão toda que eu passei na vida toda em todos os primeiros encontros e que quero voltar tartaruga na próxima encarnação. Ela, coitada, escuta pacientemente e tenta me acalmar.

Agora imaginem vocês, se depois de tudo isso, o filho da puta liga e cancela o
encontro? 'Surgiu um imprevisto, podemos deixar para semana que vem?'.

Gente, não é má vontade ou intransigência, mas eu acho inadmissível uma coisa dessas, a menos que seja algo muito grave! Eu fico puta, puta, PUTA da vida!
Claro, na cabecinha deles não custa nada mesmo, eles acham que é simples, que a gente levantou da cama e foi direto pro carro deles. Se eles soubessem o trabalho que dá, o estresse, o tempo perdido... nunca ousariam remarcar nada. Se fode aí! Vem me buscar de maca e no soro, mas não desmarque comigo! Até porque, a essas alturas, a dieta radical do queijo está quase te fazendo desmaiar de fome, é questão de vida ou morte a porra do jantar! NÃO CANCELEM ENCONTROS A MENOS QUE TENHA ACONTECIDO ALGO
MUITO, MUITO, GRAVE! DO TIPO...MORRER A MÃE OU O PAI TER UM AVC NO TRANSITO.

Supondo que ele venha. Ele liga e diz que está chegando. Você passa perfume, escova os dentes e vai. Quando entra no carro já toma um eufemismo na lata 'MMM... tá cheirosa!' (tecla sap: 'Passou muito perfume, porra'). Ele nem sequer olha para a sua roupa. Ele não repara em nada, ele acha que você é assim ao natural. Eu não ligo, acho homem que repara muito meio veado, mas isso frustra algumas mulheres. E se
ele for tirar a sua roupa, grandes chances dele tirar a calça junto com a calcinha e nem ver. Pois é, Minha Amiga, você passou a noite toda com a rendinha atochada no rego (que por sinal custou muito caro) para nada.

Homens, vocês sabiam que uma boa calcinha, de marca, pode custar o mesmo que um MP4?

Favor tirar sem rasgar.

Quando é comigo, passo tanto estresse que chego no jantar com um pouco de raiva do cidadão. No meio da noite, já não sinto mais meus dedos do pé, devido ao princípio de gangrena em função do sapato de bico fino. Quando ele conta piadas e ri eu penso 'É, eu também estaria de bom humor, contando piada, se não fosse essa calcinha intra-uterina raspando no colo do meu útero'. A culpa não é deles, é minha, por ser surtada com a estética. Sinto o estômago fagocitando meu fígado, mas apenas belisco a comida de leve. Fico constrangida de mostrar toda a minha potência estomacal assim, de primeira.

Para finalizar, quero ressaltar que eu falei aqui do desgaste emocional e da disponibilidade de tempo que um encontro nos provoca. Nem sequer entrei no mérito do DINHEIRO. Pois é, tudo isso custa caro. Vou fazer uma estimativa POR BAIXO, muito por baixo, porque geralmente pagamos bem mais do que isso e fazemos mais tratamentos estéticos:

Roupa....R$ 200,00

Lingerie.. ...R$ 80,00

Maquiagem....R$ 50,00

Sapato.... .R$ 150,00

Depilação.....R$ 50,00

Mão e pé.......R$ 15,00

Perfume...R$ 80,00

Pílula anticoncepcional. ...R$ 20,00

Ou seja, JOGANDO O VALOR BEM PARA BAIXO, gastamos, no barato, R$ 500 para sair com um Zé Ruela. Entendem porque eu bato o pé e digo que homem TEM QUE PAGAR O JANTAR E TUDO MAIS? A gente gasta muito mais para sair com eles do que ele com a gente!

13 de ago de 2009

Mais um livro vira filme

1 comentários
Em alguns dias (pelo que li na nota na internet) entrará em cartaz o filme Veronika decide morrer, baseado no best-seller de mesmo nome do autor Paulo Coelho. Será mais um filme que vai passar pelo olhar crítico dos leitores da obra. Assisti ao trailer e gostei bastante... é uma história bem tocante. Acho que, puxando pela memória, foi o primeiro contato que tive com a obra do escritor brasileiro (do qual sou fã e já cheguei à conclusão de que quando se trata de Paulo, ou você o ama ou você o odeia).

Se você tivesse uma segunda chance... o que você mudaria na sua vida?




Assista aqui ao trailer.



"A única forma de escapar da tentação é cair nela"

11 de ago de 2009

Alfinetadas

4 comentários
Na página inicial do Google, se você acompanha na parte superior esquerda, há uma vitrine dos serviços do buscador mais famoso do mundo... Imagens, Orkut, Gmail e tem um botão lá escrito MAIS. Ali, você tem uma visão de todos os produtos do Google, tudo de graça (outro dia comento sobre esses serviços, muito úteis e de graça). Porém, ali, naquela página há um ícone bem interessante.

Blogger. É dele que eu quero falar.

A descrição do Blogspot, produto do Google, é "Expresse as suas idéias online".

Legal, hoje, várias pessoas têm blogs, dos mais variados assuntos. A interação é legal, você vai viajando pelos blogs, vendo o que os blogueiros estão acompanhando e consegue encontrar um monte de coisas legais.

Essa interação no mundo dos blogs é muito legal.

A minha opinião é de que todo mundo pode expressar suas idéias.

Mas a minha opinião é de que não fiquem escondidos atrás de palavrinhas como Anônimo e seus sinônimos. Aqui nos meus posts já recebi alguns comentários anônimos... um chegou a se identificar e trocamos comentários construtivos. Alguns outros, preferiram ficar no anonimato e darem alfinetadas.

Creio que isso é sinal de covardia. Vi isso em outros blogs, com esse teor de cinismo e me pergunto: pra que? Esses anônimos virtuais ganham o que com isso?
Mascarar-se por trás de uma palavra que não identifica quem é, é muito fácil.

Difícil é dar a cara pra bater.

Quando vale a pena, eu faço isso. Quando vale a pena. Pra querer perder tempo com pessoas alfinetadeiras, creio que não vale.

Só queria deixar a minha opinião registrada. Afinal, eles continuarão existindo e podem até preparar a rebelião anônima depois de lerem esse post.

Será que o homem vai descobrir seu verdadeiro tamanho?

0 comentários
Nos últimos dias, os noticiários da televisão, da mídia impressa e eletrônica têm dado destaque a um único assunto: a nova gripe. Ou a gripe A, gripe suína (esse particularmente é horrível. Do que ele morreu? Da gripe do porco. Não, não dá).

A celebridade do momento não é mais o vencedor do BBB ou o último eliminado do No Limite ou da Fazenda. Não é também o protagonista da novela ou o nosso último orgulho Cesar Cielo, nadador. Não. O destaque, de todos os dias, é o H1N1. Um vírus. E invisível. Algo que não podemos ver, nem tocar, tampouco ouvir, tomou conta de nossas conversas, de nossas preocupações, de nosso dia-a-dia. Podemos senti-lo. E como. Muitas pessoas têm sentido o poder do H1NI1 na pele.

Autoridades do ramo da saúde tentam nos tranquilizar, dizendo que o vírus da gripe normal mata mais do que esse novo vírus. Novo... que adjetivo não é mesmo? Nova música, nova moda, nova loja... a palavrinha que traz novidade não combina com um vírus, com algo que não é tão legal quanto à alegria de uma roupa nova.

Apesar de o vírus não ser tão mortal, algumas pessoas (grávidas, idosos, crianças e doentes respiratórios) tendem a sentir mais seus efeitos e estarem num grupo de risco, que inclui internação, UTI e algumas vezes até a morte.

Em pouco tempo, minha cidade, Tubarão, já fechou escolas e algumas repartições públicas. Festas não ocorrerão mais até o vírus estar contido. Só se fala em lavar as mãos, álcool gel está em falta, máscaras assustam.

Com tudo isso acontecendo, seria bom parar e refletir: o homem é realmente tão poderoso?

7 de ago de 2009

... ??

1 comentários
Eu li hoje e tenho que compartilhar!

Código de Ética
Art. 7º O jornalista não pode:
VII - permitir o exercício da profissão por pessoas não-habilitadas


HAHAHAHAHAHAHAH!

6 de ago de 2009

Com diploma e com orgulho...

1 comentários
Ontem encaminhei à Delegacia Regional de Trabalho os documentos necessários para obter o registro de jornalista. Muitos fazem piadinhas do tipo “pra que? Nem precisa mais de diploma mesmo!”.
Pois é, são apenas piadinhas, porém, eu aproveito o gancho para reafirmar que continuo acreditando que a profissão precisa, sim, da obrigatoriedade do diploma. Ora, vamos ser realistas, se qualquer pessoa puder exercer a profissão, quem vai garantir a qualidade da informação? Veja, hoje em dia, só com o diploma, não é sempre que isso acontece. Imagina sem ele! As pessoas precisam ter uma base, um pilar de conhecimento para poder transmitir informação. O que eu sei hoje, eu não aprendi sozinha. A faculdade contribuiu para o meu aperfeiçoamento e crescimento como profissional.

Espero que o protesto dos jornalistas pelo diploma possa ser ouvido e compreendido.

5 de ago de 2009

Sozinho no mundo

0 comentários
Já pensou em se deparar com a solidão, em se encontrar com o nada, em se dar conta de que você foi abandonado e que não tem mais ninguém?

Uiiiiiiiiiiiii! QUE SENSAÇÃO HORRÍVEL!

Acordei até de ressaca tamanho desconforto que um pesadelo traz.

Como a mente humana pode viajar, literalmente, e produzir imagens e situações tão reais, a ponto de mexer realmente com a gente né?

Quando eu não sonho muito... (e falo de pesadelos e sonhos...) parece que tenho um sono mais tranquilo. Quando minha mente trabalha a noite toda... aí lascou-se... parece que nem dormi... acordo muito cansada... como pode isso?

4 de ago de 2009

Livros que viram filmes

1 comentários
Acho que já falei sobre leitura aqui, mas, como aguardo ansiosa por três títulos que mandei buscar na Estante Virtual (uma vitrine de sebos, livrarias e leitores onde você encontra muitos títulos a um preço muitooooo mais barato do que a Saraiva ou o Submarino: www.estantevirtual.com.br, créditos ao professor Ildo Silva que me apresentou essa belezura de site), eu trago esse assunto à tona novamente.

A leitura alimenta o cérebro. É tão bom se entregar a um livro... esquecer de tudo que há para se fazer e entrar de cabeça naquele mundo de palavras. Ali está, você e o autor. Aí você começa a ler, a montar o cenário do livro na sua cabeça... é tão fascinante. Tão bom.

Deve ser por isso que livros transformados em filme não agradam a todos os expectadores. Olha, de todos os livros que li e que viraram filme... nenhum foi melhor do que mergulhar de cabeça nas páginas da história original...
Código Da Vinci, O Diabo veste Prada... nesse findi, assisti 100 escovadas antes de ir dormir (que foi baseado no livro 100 escovadas antes de ir para a cama).

Como meu namorado também já tinha lido o livro, resolvemos alugar o filme. Não decepciona... mas, ficamos nós dois: Tu lembra dessa parte? Isso tinha no livro? Acho que não era assim...

Abre parênteses: a história do filme pode parecer indecente, mas, é um drama. Um drama europeu. O filme é italiano.

OBS: Como os filmes europeus conseguem ser tão diferentes dos hollywoodianos? E eu gosto.
O fabuloso destino de Amelie Poulan é um dos meus preferidos.

(Gosto não se discute).

Quem quiser saber mais sobre 100 escovadas antes de ir para cama, clique aqui.


Quem quiser saber mais sobre 100 escovadas antes de ir dormir, clique aqui.